Desafio clínico: paciente de 53 anos apresenta quadro de dispneia progressiva..

1 Flares Filament.io 1 Flares ×

Trata-se de uma paciente de 53 anos, assistente de vendas, que fuma dois cigarros por dia e sofre hipertensão, para a qual toma bendroflumetiazida.

01

Ela marca uma consulta porque teve dispneia progressiva no último mês. Também começou a apresentar palpitações recentemente. Ela descreve que começaram de forma súbita, duram 15 minutos e param bruscamente. Sente que seu coração bate com irregularidade.

Você lhe pergunta se não se ela estava passando bem antes disto e ela menciona que teve uma doença pseudogripal seis semanas antes e dor torácica do lado esquerdo para o qual tomou paracetamol e fez repouso em cama. A paciente não consultou com você a respeito disto devido a que não quis incomodá-lo.

Treze a cada 100 mulheres fumam, segundo IGBE e Pnad

Ao exame, a pressão arterial é 140/90 mmHg e o pulso é de 89 batimentos por minuto, irregular. Acha que o ápice está deslocado e a paciente continua tossindo de maneira que resulta difícil escutar algum sopro. São auscultadas algumas crepitações basais finas e há edema depressível leve.

12

Quais dos seguintes transtornos seriam parte de seu diagnóstico diferencial inicial? 

1. Taquicardia sinusal

Sim

Justificativa

A taquicardia sinusal é menos possível dado o caráter irregular das palpitações e o início e a conclusão das palpitações de forma súbita, o qual favorece um diagnóstico de fibrilação auricular.
A taquicardia sinusal pelo geral tem um início gradual e conclui em forma gradual e se percebe como uma palpitação regular.

2. Infarto de miocárdio recente
Sim

Justificativa

Um infarto de miocárdio recente pode ter desencadeado disfunção do ventrículo esquerdo e fibrilação auricular.

3. Miocardite recente
Sim

Justificativa

A miocardite recente pode ter desencadeado disfunção do ventrículo esquerdo e fibrilação auricular.

4. Hiperventilação crônica

Sim

Justificativa

Já que a paciente tem hipertensão e é fumante, uma causa cardíaca de sua dispneia é muito mais viável que uma síndrome de hiperventilação. Por outra parte, a paciente tem sinais clínicos que indicam uma doença cardíaca.

11

 

Qual teste de laboratório seria mais útil neste caso?

1. Hemograma completo

Não

Justificativa

Um hemograma completo pode ser útil para descartar transtornos que podem exacerbar os sintomas de insuficiência cardíaca, por exemplo, anemia, mas não é um estudo cardioespecífico.

2. Perfil bioquímico
Nao

Justificativa

Um perfil bioquímico completo que inclua líquidos pode ser útil para identificar fatores de risco concomitantes que devam ser tratados, mas da mesma forma que com o hemograma completo, não será útil para confirmar um diagnóstico.

3. Proteína C reativa e velocidade de sedimentação globular

Não

Justificativa

Os testes de proteína C reativa e velocidade de sedimentação globular podem indicar uma inflamação ou uma infecção. No entanto, não são muito úteis para localizar a doença.

4. Radiografias torácicas
Nao

Justificativa

Uma radiografia torácica pode mostrar cardiomegalia ou congestão pulmonar e portanto pode ser um teste útil que ajude a diagnosticar insuficiência cardíaca. Porém, o eletrocardiograma é muito mais específico e proporciona informação adicional sobre a causa.

5. Testes funcionais pulmonares

Não

Justificativa

Do ponto de vista clínico é suspeita uma doença cardíaca e não respiratória e daí que estes testes não sejam necessários ou úteis para identificar a causa. Contudo, são importantes em qualquer pesquisa diagnóstica anterior ao tratamento cirúrgico.

6. Electrocardiograma

Sim

Justificativa

Apesar de que todas as pesquisas diagnósticas antes assinaladas desempenham um papel fundamental para estabelecer o diagnóstico, o eletrocardiograma é o mais importante. Permite diagnosticar a arritmia e determinar se a paciente sofreu um infarto ou tem miocardite ou insuficiência cardíaca (leve-se em conta que se o eletrocardiograma é normal, é muito baixa a probabilidade de uma disfunção do ventrículo esquerdo).

Continue lendo.. acesse..

FONTE MEDCENTER

 

Receba as melhores dicas para melhorar sua qualidade de vida.

Fernando Muterle

Olá, eu sou Fernando Muterle – professor Universitário e também Fundador do “IMCF” . O IMCF foi criado com o objetivo de promover o Networking entre profissionais, estudantes e interessados, com temas pertinentes a saúde e qualidade de vida. Participe, assista as entrevistas e registre a sua opinião.

Website: http://imcf.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *